Trabalhos de Conclusão de Curso

Novo olhar sobre o parque da luz: uma intervenção física e virtual

Apresentação

A evolução e adaptação da arquitetura ao longo do tempo tem uma forte relação com os recursos e tecnologia disponível em determinada época, bem como às transformações sociais que ocorrem estando intimamente ligada com os progressos sociais, econômicos, científicos, técnicos, etnológicos, psicológicos, entre outros (NAVARRETE, 1998). Exemplo disso a Revolução Industrial foi onde se deu início ao desenvolvimento de técnicas e elementos que viriam a influenciar a produção arquitetônica, como a pré-fabricação de componentes construtivos, alterando a forma que os projetistas trabalhavam até então através de uma nova tecnologia. Silva (2002, p. 3) nos diz que podemos conceituar a tecnologia de forma geral como “um sistema através do qual a sociedade satisfaz as necessidades e desejos de seus membros“, seguindo esta linha de raciocínio, é possível imaginar que o surgimento de novas tecnologias que facilitam a captação, armazenamento e compartilhamento de informações tem gerado um certo impacto em todas as áreas do conhecimento e, mais importante, influenciado a sociedade contemporânea. Pois “todos passam a estar envolvidos também com as mudanças sociais impostas por tais tecnologias” (DARODA, 2012, p.12).

Conforme Fox (2016) a partir do momento que participamos de um mundo onde as linhas entre o físico e o digital tem vem se tornando cada vez mais indistinguíveis, é possível ter uma visão ainda em processo de amadurecimento de uma arquitetura que participa ativamente das nossas vidas. Esta nova vertente de uma arquitetura dinâmica pode ser denominada como arquitetura interativa ou responsiva, tendo como uma questão importante para que se torne um sistema não-estático a interdisciplinaridade, utilizando técnicas e estudos de outras áreas de conhecimento, de modo a adquirir características que antes não poderiam estar presentes.

Portanto, este trabalho procura dar um passo em direção ao estudo da arquitetura dentro desta nova realidade tecnológica, utilizando conceitos de arquitetura interativa/responsiva na revitalização de um espaço público com grande potencial para a cidade de Florianópolis, o Parque da Luz. Também tem o objetivo de apresentar uma proposta para sua integração com a Ponte Hercílio Luz, devido a sua provável abertura para o público em um futuro próximo. Buscando aproximar as duas áreas, do parque e da ponte ao cotidiano dos cidadãos, melhorando a sua relação com o entorno e, consequentemente, com a cidade. O Parque da Luz possui uma localização privilegiada próxima ao centro de Florianópolis, entretanto tem se tornado um espaço cada vez menos adequado para que os moradores da cidade o frequentem, por não receber um tratamento adequado pelo poder público apesar dos esforços da Associação Amigos do Parque da Luz.

Devido ao avanço das tecnologias móveis as pessoas não costumam possuir uma conexão mais direta com o espaço de vivência, isso faz com que deem menos atenção ao seus arredores e consequentemente negligenciem a paisagem. Todavia, este mesmo tipo de tecnologia - da informação e comunicação, sensores e atuadores - pode servir de estímulo para que um espaço público seja utilizado de forma diferente e, aliada à arquitetura, pode permitir que o ambiente torne-se interativo ou responsivo de modo que proporcione novos tipos de sensações e assim fazer com que o lugar seja mais atraente para àqueles que passam próximo ao local. Dessa forma, utilizando esta abordagem e levando em consideração a reabertura da Ponte Hercilio Luz para a travessia de transporte público e pedestres, seria possível pensar uma outra forma de se projetar para adequar o espaço do parque de maneira a responder às necessidades dessa realidade social mais dinâmica que nos encontramos atualmente.